O legado do “pai do Plantio Direto” para o Brasil

O legado do “pai do Plantio Direto” para o Brasil

Biografia recém-publicada de Herbert Bartz conta a trajetória do agricultor paranaense

Uma vida inteira voltada para a agricultura e conservação do solo, isso resume a história de Herbert Bartz, pioneiro do Plantio Direto (PD) no Brasil. Tudo começou na década de 70, buscando melhorar a produção de alimentos prejudicados pela erosão, o agricultor viajou para os Estados Unidos com o objetivo de encontrar um mecanismo para solucionar o problema. Após retornar ao Brasil, Bartz implantou o PD nas suas lavouras em Rolândia-PR. Essa prática contou com o auxílio de maquinário americano, que consiste em plantar sem arar a terra, protegendo o solo do processo erosivo.

 Após aprimorar o uso do PD, deu início à divulgação do sistema pelo país. Bartz tornou-se, então, uma influência do assunto no Brasil, mostrando a tecnologia de proteção do solo aos agricultores. Analisando os dados da Federação Brasileira de Plantio Direto e Irrigação, podemos notar que o PD é utilizado aproximadamente em 90% das áreas de lavouras do país, o que evidencia a importância desta prática para o Brasil.

Toda a sua trajetória e legado estão no livro “O Brasil possível: a biografia de Herbert Bartz”, obra escrita pelo jornalista Willian Santin e recém-publicada no dia 10 de Abril durante a Exposição Agropecuária de Londrina. O livro contou com o patrocínio da Fundação Agrisus, Itaipu Binacional, Dow AgroSciences, Microgeo, Jacto e Marchesan e o evento de lançamento da biografia contou com o apoio do IAPAR (Instituto Agronômico do Paraná), da Federação Brasileira de Plantio Direto, da Sociedade Rural do Paraná, da Cooperativa Integrada e Agrícola Cortez. O livro é um marco para a agricultura nacional, podendo servir de base entre agricultores e profissionais de hoje e futuras gerações no debate sobre conservação do solo.

Questionado sobre a preocupação com o solo no futuro, Bartz é otimista, ele destaca o atual cenário da agricultura brasileira para manter o pioneirismo do país no assunto. “Os agricultores de hoje possuem mais ferramentas nas mãos para fazer o melhor para a conservação do solo perto do que eu tive”, ressalta. Ao mesmo tempo, pondera que a ação do homem pode anular este processo, uma vez que, o descuido pode causar a erosão, prejudicando um dos objetivos do solo que é absorver a água para proporcionar uma plantação de qualidade. “A conservação do solo e da água devem ser preocupações conjuntas, pois são os recursos mais importantes da humanidade” completou.

O mês de abril é marcado por datas comemorativas em relação aos cuidados com o solo. No dia 15 é celebrado o Dia Nacional de Conservação do Solo e no dia 22 é a vez de comemorar o Dia Internacional da Mãe Terra. Essas datas que foram instituídas através do Ministério da Agricultura na década de 80, não vem recebendo a mesma importância por parte do governo atualmente, preocupando os agricultores e pesquisadores que defendem esse tema no dia a dia.

herbert bartz capa

Neste contexto, Bartz reitera que para manter o Sistema Plantio Direto e buscar novas tecnologias o país carece de apoio do governo federal, o que não vem acontecendo efetivamente ultimamente. “Para manter o sistema os agricultores necessitam de recursos, mas esses só são vistos para a plantação de grãos visando à produção comercial de alimentos”, destaca. A parte que atinge a conservação do solo como culturas de coberturas e adubação verde, com sistema radicular que penetram no solo, não apresentam recursos disponíveis para financiamento. “Os agricultores necessitam desse apoio, por que se produzirem visando apenas ao comércio a qualidade do solo vai diminuir, nós enfrentamos a tempo uma falta de política agrícola” alertou.

Durante toda a sua trajetória, Herbert Bartz recebeu diversas premiações, devido ao grande trabalho ficou conhecido como “o pai do Plantio Direto”. Dentre esses, o prêmio mais marcante foi o destaque em Tecnologia ”Norman Borlaug”, nome referência ao primeiro Nobel da Paz concedido para um trabalho na área da agricultura. Com todo esse reconhecimento, só restava a Bartz uma obra contando todo o seu legado. A biografia publicada no último dia 10 de Abril, contou com a iniciativa dos seus filhos Johann e Marie Bartz, que idealizaram todo o projeto com o jornalista Willian Santin.

Perguntado sobre o que mais o orgulha na sua trajetória, o maior nome da agricultura brasileira relata que não esperava que o Brasil fosse aderir ao Sistema Plantio Direto tão rápido como foi na década de 70. “Eu me orgulho de ter tido essa chance e aprovação tanto no Brasil quanto na América Latina da minha habilidade ter sido tão bem sucedida. Nessa altura, o agricultor brasileiro pode ser considerado um herói, e sempre quando deparamos com a erosão de solo, sabemos que a nossa luta é permanente”, finalizou.

Atualmente, aos 81 anos, Herbert Bartz continua vivendo de perto a vida no campo em Rolândia-PR, sempre se preocupando com a conversação do solo. A biografia do agricultor pode ser adquirida na Livraria da Silvia em Londrina, no endereço Rua Goiás, 1774 ou por e-mail: silvia@livrariadasilvia.com.br ou What’s App: 43 99915-9339 ou telefone fixo 43 3028-2888 ou ainda em Rolândia (compra direta sem envio pelo correio) no Oma’s Kaffee Haus, no endereço Avenida Salgado Filho, 107.

Junior Azevedo
Estagiário de Jornalismo

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *